0

Review – The Mandalorian (Primeira temporada)

The Mandalorian, a primeira série ‘live action’ de Star Wars que estreou com o lançamento do Disney + (o serviço de streaming da empresa) é uma obra prima.

O criador e roteirista Jon Favreau (Homem de Ferro e O Rei Leão) nos permite mergulhar na textura da galáxia de George Lucas como nunca antes. Depois de conhecer Boba Fett (o caçador de recompensas que inspirou tudo isso) em ‘O Império Contra Ataca’ (1980), a franquia Star Wars se aprofunda no estilo de vida Mandaloriano. Imediatamente, somos apresentados ao protagonista conhecido como ‘Mando’, que vive de acordo com o credo Mandaloriano e está satisfeito em ser um caçador de recompensas eficiente.

Os oito episódios relativamente curtos significam que a duração total da primeira temporada é de cerca de dois filmes ou mais. Nosso protagonista de capacete ganha mais tempo em tela do que a maioria dos personagens de Star Wars – e é simplesmente fantástico. A história se passa após ‘O Retorno de Jedi’ e a queda do Império, mas ainda muito antes de ‘O Despertar da Força’ e a ascensão da Primeira Ordem. Curiosamente, The Mandalorian também se relaciona com a animação ‘Clone Wars’ de maneiras surpreendentes.

The Mandalorian é um Space Western em sua maior parte – uma grande homenagem à Sergio Leone. É também uma mistura interessante de narrativa serial e processual – ou seja, embora haja uma história abrangente que amarre todos os episódios, cerca de metade da primeira temporada se desdobra mais como aventuras autônomas em cada episódio. Além da excelente narrativa, cinematografia e efeitos especiais dignos de cinema, o resto da produção é estelar. Pedro Pascal (e seus dublês) faz um excelente trabalho no papel titular ‘O Mandaloriano’. Ele não gosta de palavras e, quando fala, é sempre um rosnado baixo no estilo Clint Eastwood. Ele também nunca tira o capacete, então uma grande quantidade de emoção e reação é transmitida sem expressões faciais – e é notável.

A partitura original também merece muitos elogios. Composta por Ludwig Göransson (Pantera Negra e Tenet), o tema captura tanto Star Wars quanto trilhas sonoras clássicas de Western. É tão bom que você nunca precisa realmente daquele famoso tema de Star Wars. É algo muito próprio e funciona perfeitamente para o show. ‘The Mandalorian’ prova que resta um universo inteiro nesta franquia, e são necessários os contadores de histórias certos para reunir uma base de fãs dividida e cada vez mais difícil de agradar. Jon Favreau sabe uma ou duas coisas sobre construção de mundos e coloca toda a sua experiência na Marvel em grande uso como criador da série.

E então é preciso falar sobre o Baby Yoda – ou The Child, para dar a ele seu título oficial – a grande revelação do primeiro episódio e sem dúvida um dos segredos do sucesso da obra. Como pupilo de Mando, The Child não só fornece ao show um mascote icônico, mas empresta uma urgência e um núcleo emocional à narrativa, compensando o niilismo generalizado e o protagonista moralmente duvidoso para dar ao Mandaloriano um verdadeiro coração. O mistério das origens de The Child e a busca para mantê-lo seguro se estabelecem como a espinha dorsal da série, e é este o golpe de mestre de Favreau.

A primeira temporada de The Mandalorian é uma aventura emocionante e visualmente suntuosa pelos corredores mais sujos e menos glorificados do universo de Star Wars. A produção captura a sensação da franquia perfeitamente, sem nunca ter um duelo de sabres de luz. E isso nos deixa com uma galáxia cheia de oportunidades para a segunda temporada, com novos planetas para explorar, novas ameaças para enfrentar e uma nova missão. Enquanto a Lucasfilm reavalia o futuro da franquia após o fraco Episódio IX, eles fariam bem em parar, ouvir e aprender o que The Mandalorian tem a ensinar.

Este é o caminho (This is the way).

Por: Luis Vinicius Melione

Bondcast

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *