0

Review: Filmes de julho que merecem atenção!

Julho de 2021 trouxe alguns filmes que merecem atenção! trouxemos 3 reviews de 3 filmes que assistimos neste mês, confira abaixo.

Tempo (Old, 2021)

Adaptado de Sandcastle, a história em quadrinhos de Pierre-Oscar Lévy e Frederik Peeters, o mais recente thriller de mistério de M. Night Shyamalan, ‘Tempo’, é diferente das obras que ele escreveu e dirigiu no passado. O filme é menos focado nos elementos de terror tradicionais, o que é revigorante, mesmo que mude para uma mensagem que é subdesenvolvida quando se considera a grande reviravolta. ‘Old’ tem seus momentos de intriga, de horror corporal e temas que cercam a passagem do tempo, mas é muitas vezes atolado em seu mistério tedioso.

Como outros filmes de Shyamalan, ‘Old’ coloca a natureza contra os humanos. O pitoresco cenário em uma praia oferece um contraste gritante tanto com o drama familiar quanto os terríveis acontecimentos sobrenaturais que começam a se desenrolar conforme as pessoas envelhecem rapidamente. O diretor pega problemas médicos reais, como demência, câncer, cegueira e surdez, e os representa por meio de uma sons e imagens, capturando a ansiedade sentida quando percebemos como nossos corpos estão se deteriorando ao longo de décadas.

Embora ‘Tempo’ seja certamente um tipo diferente de suspense, com muitos elementos que funcionam para criar uma sensação de tranquilidade e desespero na mesma medida, ele se torna cansativo à medida que foge de seus temas mais profundos para a emoção da descoberta final. O filme de Shyamalan, que aborda os horrores distintos do envelhecimento, acaba sendo uma entrada fascinante para a carreira irregular do diretor. Pode não ser o seu melhor trabalho, mas é aquele que usa uma premissa intrigante para lidar com ideias profundas – aquelas que provavelmente não vão desaparecer facilmente, mesmo quando você está velho e grisalho.

Space Jam 2: Um Novo Legado

É impossível assistir a Space Jam: A New Legacy sem compará-lo ao Space Jam original de 1996, estrelado por Michael Jordan. A sequência, que desta vez apresenta LeBron James como a estrela do basquete, dá um grande passo na atualização da premissa para 2021, mas no final das contas atua como um cartão de visita para as propriedades da Warner Bros. Ainda há, no entanto, uma quantidade surpreendente de coração nesta história, lembrando o público de se manter fiel a si mesmo, mas para manter as coisas divertidas e leves também. O filme segue as mesmas batidas do filme original: um astro do basquete está preso em um universo onde precisa jogar uma partida maluca e de alto risco.

O filme transita perfeitamente por diferentes estilos, de Looney Tunes a Bruce Timm e os estilos clássicos de quadrinhos de Ben Day, ao mesmo tempo em que mistura a estética de filmes modernos e antigos de Hollywood. O feito mais impressionante da sequência foi incorporar o design de videogame como uma forma de entretenimento. E foi muito bom ver as estrelas do basquete da vida real no time de Don Cheadle, que incluem duas jogadoras da WNBA, Nneka Ogwumike e Diana Taurasi.

A lista de roteiristas com créditos é longa o suficiente para formar seu próprio time de basquete, e a ousadia de transformar o vilão em um algoritmo corporativo de criação de conteúdo é eficaz. O diretor Malcolm Lee equilibra a ação, a dinâmica familiar e as bobagens dos Looney Tunes muito bem, reconhecendo que o cerne da história é o desejo de pai e filho por uma maneira melhor de se conectar.

Velozes e Furiosos 9 (F9, 2021)

F9 é o tipo exato de loucura que se espera de um filme com “9” no título. Dirigido por Justin Lin, este pode realmente ser o filme mais estúpido da série em termos de motivações e personagens, mas se compromete com a piração com convicção. O tema da “família” é elevado a graus de novela desta vez, uma vez que o grande peso da trama acaba sendo Jakob (John Cena), o irmão mais novo que você não sabia que Dom Toretto tinha. Com um ritmo frenético e cheio de tramas paralelas, os personagens viajam para Tóquio, Colômbia e Reino Unido, aparentemente apenas para mostrar que os cineastas têm orçamento para isso.

Há todos os clichês de filmes de ação aqui – o motorista inepto forçado a uma perseguição de carro, brigas em cima de carros e telhados entre e antagonistas que se encaram intensamente. Além da diversão selvagem, F9 também possui cinematografia fenomenal. O diretor de fotografia Stephen F. Windon trabalhou anteriormente com Lin em três filmes Velozes e Furiosos, então não é de se admirar que sua cobertura das complicadas sequências de ação seja estratégica e impressionante. Mesmo quando cortando entre vários locais, uma horda de personagens e um desfile de diferentes veículos, a geografia e a ação estão sempre em foco e claramente definidas.

Velozes e furiosos 9 orgulhosamente leva o público em mais um passeio absolutamente selvagem repleto de emoções, destruições, risos e – no final – uma mensagem comovente sobre a família. A franquia Fast & Furious nunca se preocupou com detalhes irreverentes como enredo ou desenvolvimento de personagens e, nesta nona aventura, ainda entrega o que o público realmente deseja: carros onde carros absolutamente não deveriam estar.

Por Luís Vinícius Melione

Bondcast

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *