0

Review – Zack Snyder´s Justice League (2021)

O novo filme da Liga da Justiça – e não se engane, é realmente um novo filme – é mais do que uma defesa da visão original de Zack Snyder. É um entretenimento grandioso, ágil e envolvente; uma história de origem de um time de heróis que, no fundo, é convencional, mas que agora é contada com uma sinceridade inebriante que leva você de volta ao que os quadrinhos oferecem de melhor – fazer você se sentir como se estivesse vendo deuses brincando na Terra.

Não há uma cena na Liga da Justiça de Zack Snyder que não seja completamente nova, substancialmente expandida ou drasticamente melhorada por meio da edição, tomadas alternativas ou cinematografia consistente. Finalmente parece o trabalho coeso de uma única equipe de cineastas, ao invés do monstro de Frankenstein de 2017.

A estrutura da narrativa do filme, em termos gerais, permanece a mesma do corte de cinema: depois que Superman (Henry Cavill) se sacrifica para matar Doomsday, Bruce Wayne (Ben Affleck) resolve unir uma equipe de super-heróis para defender Terra de uma ameaça alienígena que se aproxima. Mas com o dobro do tempo de execução para gastar no contexto em torno dos eventos importantes, desta vez a história é contada com muito mais coerência e envoltura. Enquanto o corte original corre de cena de ação para cena de ação, o filme de Snyder é um processo calmo e metódico com um interesse muito mais profundo em explorar seus personagens.

Quase todos os membros da Liga da Justiça de Snyder, de cima a baixo, têm uma jornada mais clara e mais dimensão. Não há ninguém que exemplifique isso melhor do que o Cyborg de Ray Fisher, que viu a grande maioria de sua história ser cortada no lançamento de 2017. A versão de Snyder enfatiza o aspecto do terror melancólico do estudante universitário que recebe uma segunda chance de vida por meio das experiências de seu pai Silas (Joe Morton). A caracterização de Batman é quase totalmente diferente desta vez. Este Bruce Wayne foi irrevogavelmente mudado pelo sacrifício do Superman, e aqui serve como o porta-voz para a esperança que Jor-El enviou seu filho à Terra para nos inspirar.

A ressurreição do Superman funciona muito melhor, com mais preparação e, uma vez que ele supera seu instinto de “destruir quem quer que eu veja”, Clark tem um momento para brilhar de volta na fazenda da família Kent. Seu reencontro com Lois Lane (Amy Adams) e Martha Kent (Diane Lane) é muito mais emocionante graças ao foco crescente de Snyder em quão devastadas as duas estavam com sua morte. O diretor apresenta Barry Allen de Ezra Miller com o mais avançado no domínio de seus poderes do que o corte de 2017, incluindo uma cena de introdução totalmente diferente – e é simplesmente incrível.

Assim como Cyborg, Arthur Curry (Jason Momoa) tem pouco interesse em fazer parte do time no início. A história de Arthur parece pouco mais do que uma configuração para dar-lhe um arco mais completo em seu próprio filme, mas pelo menos desta vez temos uma imagem mais clara de onde Arthur está e alguns dos motivos pelos quais ele nutre tanto ressentimento em relação à Atlântida. A Mulher Maravilha de Gal Gadot também acaba se beneficiando com o tempo de execução extra. Livre das restrições da classificação PG-13 impostas ao corte original, Snyder não tem problemas em deixar o semideus interno de Diana sem correntes, principalmente em sua primeira cena de luta, onde ela simplesmente destrói uma sala cheia de terroristas e quebra alguns crânios contra as paredes enquanto luta.

A Liga da Justiça de Zack Snyder também reposiciona o vilão Steppenwolf como um pária – desesperado para consertar suas falhas e voltar às boas graças de Darkseid entregando-lhe a Terra. A ação se beneficia da mão experiente de Snyder nesse departamento. Os confrontos entre heróis e vilões parecem mais viscerais e cada herói tem seu momento para brilhar. Não é apenas a ação que foi renovada; a trilha sonora de Danny Elfman foi substituída por uma muito mais contundente e emocionante, feita por Junkie XL. A Liga da Justiça de Snyder também evita o formato widescreen de seu lançamento nos cinemas em favor de um quadro 1: 33: 1 que parece destinado para telas IMAX. O novo enquadramento não diminui a experiência de assistir em casa, mas certamente parece mais adequado para uma tela grande.

O Veredito

A Liga da Justiça de Zack Snyder é um triunfo do diretor e dos fãs que acreditaram em sua visão. Com uma abordagem madura para seu drama de super-heróis, antagonistas bem realizados e ação aprimorada, a versão de Snyder da Liga da Justiça salva o filme da lata de lixo da história, algo que provavelmente só poderia ter acontecido em uma plataforma de streaming como a HBO Max. Este deve ser um dos filmes de quadrinhos mais fascinantes visualmente já feitos e um dos melhores filmes do cineasta – vale cada uma das quatro horas de duração.

Por Luís Vinícius Melione

Bondcast

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *